Europa

4 dias em Amsterdam

4 dias em AmsterdamAmsterdam é a lendária metrópole dos canais fluviais (165) e das casas flutuantes (mais de 2,5 mil). É a cidade onde a liberalidade, com destaque para a legalidade da prostituição e da venda e consumo da maconha, é uma das principais “atrações” –levando gente descolada do mundo inteiro para lá, buscando noites que fervem.
 
A capital holandesa é também conhecida pelos seus muitos museus, pelas bicicletas que se tornaram um dos principais meios de transporte da cidade, pelos belos parques, pelos mercados e pelo urbanismo singular, formado por um conjunto de canais concêntricos margeados por ruas sempre elegantes.
 
Visitamos a cidade no outono, na primeira quinzena de outubro, com temperaturas variando entre 10ºC e 20ºC, ideal para longas caminhadas e pedaladas. Para completar, tivemos a sorte de contar com a presença do sol em vários momentos dos quatro dias em que lá estivemos (é bem verdade que Amsterdam merece que se dedique mais dias).
 
O hotel escolhido, via ‘Hoteis.com’, não poderia ter sido melhor. O Room Mate Aitana faz parte de uma rede de hoteis design, com localização privilegiadíssima, a pouca distância da Central Station, do centro da cidade e do Jordaan, o bairro mais charmoso de Amsterdam.

Quer conjugar Amsterdam e Paris? Confira nosso roteiro Paris em 5 dias (Parte1)

O que fazer em 4 dias em Amsterdã?
Logo que chegamos à cidade dos Canais, no começo da tarde de uma sexta-feira, fomos bater perna até o centro da cidade, com parada na praça ‘Dam’ para um chopp (apesar de adorar a Heineken e ver sua marca em todos os lugares, não perdi a oportunidade de optar pelas inúmeras marcas e variedades de cerveja, a bebida mais consumida por essas bandas) e uma boa ‘parrilla’ argentina (sim, em toda parte se encontra uma steakhouse portenha).
 
No retorno, entramos no ‘Red Light District’, área da cidade famosa pela prostituição (relembrando que na Holanda é uma atividade devidamente legalizada e vista com muita naturalidade), com várias casas de shows de sexo explícito dia e noite. O mais pitoresco são os becos estreitos com sequências de pequenos quartos com portas de vidro (sempre com uma luz vermelha acima), onde as moças ficam expostas em trajes sensuais. Os serviços são prestados ali mesmo, naturalmente fechando-se as cortinas.

4 dias em Amsterdam
Embora presentes em toda parte, no Red Light District parece haver maior concentração de coffee shops, bares onde é vendida e consumida a maconha, com igual naturalidade.

Quer incluir Paris em seu viagem à Europa? Temos um roteiro de 5 dias pronto para você (Parte 2)
 
O dia seguinte foi dedicado a mais caminhadas. Começamos pela feira-livre do Nordermarket, que funciona às quartas e aos sábados e onde se encontra de tudo um pouco: desde antiguidades até frutas, verduras, frutos do mar e queijos e mais queijos, de todos os tipos, sempre deliciosos, outra grande especialidade dos holandeses.
 
A caminhada prosseguiu pelo Jordaan, com uma parada aqui, outra acolá, para repor as energias bebendo ora uma cerveja, ora um tinto. A chuva atrapalhou um pouco, mas faz parte do clima da cidade. No percurso, paramos no The Cheese Museum, uma lojinha de queijos com degustação permanente e onde voltamos depois para comprar, além dos próprios queijos, acessórios de cozinha criativos e úteis.

4 dias em Amsterdam
Seguimos em direção à área mais badalada da cidade, a Leidseplein, uma praça e seu entorno cheios de bares e restaurantes (de novo muitas casas de carnes argentinas, mas também brasileiras, uruguaias, etc). Nas proximidades fica o Hard Rock Café (pit stop obrigatório) e o Waterhole, que oferece música ao vivo à noite. Lá voltamos a tempo de ver o final do show da primeira banda e o início da segunda, ambas de pop rock.
 
Menos de um quilômetro à frente está a primeira fábrica da Heineken, hoje utilizada para a Heineken Experience, uma interessante visita às antigas dependências, mesclada com ensinamentos sobre o processo de fabricação de cerveja. Impossível entrar na loja que tem uma enorme diversidade de produtos associados à marca sem sair com sacolas cheias. Voltamos para a Leidseplein e comemos uma farta parrillada em um dos restaurantes argentinos (eles novamente) e terminamos a noite no Waterhole.
 
Bike
No domingo o sol deu o ar da sua graça e não perdemos tempo: dia de pedalar. Alugamos a bike em uma loja que fica na Central Station, a ‘Mac’. Pedalar em Amsterdam é uma emoção e um prazer à parte, mas é preciso muito cuidado, afinal de contas são milhares (ou centenas de milhares?) de bicicletas disputando espaço com pedestres e, embora em menor quantidade, com carros e bondes.

4 dias em Amsterdam
Os ciclistas locais costumam andar em alta velocidade, fazendo manobras quase radicais, sem falar nas motos que são liberadas para andar nas ciclovias (não consigo entender a razão), e como todo motoqueiro, praticando as tradicionais imprudências.
Percorremos o centro da cidade em direção à Leidseplein e seguimos em frente até o Vondelpark, um belíssimo parque com muitas árvores, extensos gramados e lagos.
 
Em um dos cafés dentro do parque fizemos uma parada para a necessária hidratação, com cerveja, é claro. No retorno, fomos à Casa de Anne Frank, cuja visita é obrigatória.

Planejando sua viagem à Europa? Paris não pode ficar de fora! Veja aqui o nosso roteiro para 5 dias na capital francesa (Parte Final)
 
É uma imersão no mundo dos horrores do nazismo, que emociona e nos faz voltar a refletir sobre a ilimitada estupidez humana. Na volta ao hotel, já noite e com mais intimidade com as ruas e as regras do trânsito, experimentamos a inesquecível sensação de liberdade sobre duas rodas, com o vento frio batendo no rosto.

4 dias em Amsterdam
O último dia foi dedicado a algumas comprinhas e à indispensável visita ao Van Gogh Museum. Reserve ao menos duas horas para apreciar a vasta obra desse admirável artista holandês, conhecendo as transições entre as fases artísticas que atravessou em sua curta e intensa existência. A loja do museu oferece uma variedade de produtos inspirados na obra de Van Gogh, sendo natural sair de lá carregando algumas sacolas de compras.
 
Eis mais uma daquelas cidades que demorarei a dizer "dou por vista". Amsterdam é para voltar outras vezes, para visitar outros museus, novamente bater perna, pedalar, beber cerveja e sentir o clima de liberalidade que, ao contrário do que se pode imaginar, não se traduz em irresponsabilidade e pouco menos em libertinagem.

(*) O texto é uma colaboração de Jorge Santana, engenheiro, empresário e viajante contumaz
 
#Amsterdã #Holanda #Europa #Roteiro


Deixe um comentário