Sergipe

O que fazer em Sergipe? Parque dos Falcões

O que fazer em Sergipe? Parque dos FalcõesEsqueça tudo de ruim que algum dia você ouviu sobre aves de rapina, como por exemplo, de que corujas são presságios de coisas ruins e que o canto delas é aviso de morte. Eu sei, é difícil mudar conceitos antigos e passar, até, a gostar de um bichinho desses, mas, nesse caso em específico, o remédio, ou melhor, a forma de perder o medo das aves de rapina é indo até o Parque dos Falcões, localizado a cerca de 50 quilômetros de Aracaju, mais precisamente no Povoado Gandu, no município de Itabaiana.

O parque, que existe há 14 anos e é uma imensa área verde com um astral bem legal e um vento que não nos deixa perceber o calor do verão escaldante deste 2014, está instalado numa área de 17 hectares e nela, 32 espécies, entre corujas, gaviões, falcões e urubus, estão sendo conservadas, graças ao trabalho de um sergipano de 37 anos de idade: José Percílio Mendonça Costa.
O que fazer em Sergipe? Parque dos FalcõesO que fazer em Sergipe? Parque dos FalcõesNão me peçam explicações lógicas sobre como ele consegue manter um diálogo com as aves; como ele sabe o que dizem ou o que sentem; como ele fez para tornar aves que passaram por fortes processos de trauma, como por exemplo, mutilações, hoje serem afetuosas e já terem dado diversos filhotes saudáveis. São tão dóceis que ficam no ombro ou braço do visitante sem que seja necessário colocar luva, como é exigido neste tipo de contato e, por exemplo, na falcoaria. E o melhor de tudo, a pessoa não sai com um arranhãozinho sequer.

O que fazer em Sergipe? Conheça opções em Xingó que vão muito além do tradicional passeio de catamarã pelo Cânion do Rio São Francisco
.

O fato é que, basta um olhar dele, um simples toque, para o animal ir, por exemplo, construir um ninho, ou reprovar um que tenha sido feito de maneira errada por algum biólogo durante as aulas práticas que Percílio ministra no local. “Tudo que sei sobre o universo deles foram eles que me ensinaram. Eu sei o comportamento de cada um. Sei quando precisam e querem reproduzir. Aprendi, por exemplo, que as fêmeas têm de se apaixonar para aceitar o companheiro, senão elas os matam, já que são maiores e mais fortes. Em alguns casos tenho que fazer o papel, digamos assim, de primeiro marido, e depois induzi-las a aceitar o macho da espécie. Isso tudo é feito com diálogo, com afeição. Ensino que nem todo ser humano é mau e que elas não precisam temer”, explicou o fundador do parque.

O que fazer em Sergipe? Parque dos FalcõesOs ensinamentos do encantador de falcões, como Percílio e o que ficou conhecido nacional e internacionalmente, podem ser vistos na prática por quem for visitar a área, pois existem corujas, águias e falcões soltos na propriedade e nenhum deles ataca o que é do local ou está na região devidamente autorizado, sejam humanos ou não. Aproximadamente 60 coelhos correm livremente pelo terreno e num pequeno lago têm vários tipos de peixes como tilápias e pintados. “Aqui existe a convivência harmônica de bichos que são presas e predadores na cadeia alimentar, mas nenhuma ave encosta nos outros. Sempre que chega algum novato, eu chamo todos e digo: este aqui é do parque, então eles não encostam. Mas, se for de fora, aí sim atacam”, comentou.

O que fazer em Sergipe? Conheça a Praia do Saco!


O mesmo serve para humanos não anunciados, por isso, as visitas acontecem com agendamento prévio. Corujas e falcões fazem as vezes de seguranças. Um deles, conhecido como psicopata (falcão), se perceber que alguém não anunciado adentra ao espaço, trata logo de dar cascudos, digamos assim, no intruso. “A população da região nos respeita muito, tanto que nunca tivemos invasão, roubo. A não ser no caso do urubu albino, o Michael, que fora roubado por pesquisadores cearenses que estavam coletando dados aqui. Mas, mesmo assim, as corujas avisaram, só que as pessoas que estavam na hora não entenderam os sinais”, lamentou Percílio, que diz ter sonhado com a chegada de outro urubu albino à reserva. Michael foi o 1º albino da espécie, um caso raríssimo no mundo, e foi assassinado. Em homenagem a ele, pouco antes do pórtico do Parque, tem uma escultura imensa o representando.

Amor que muda comportamento
Percílio diz que o parque e as aves são a vida dele, tanto que evita estar fora do “habitat” por muito tempo, mesmo que seja para divulgar o parque ou dividir conhecimento, não que ele se negue a isso, muito pelo contrário, só que ele prefere que os grupos vão até ele, pois não gosta de deixar os “filhos” sozinhos. “Eles sentem minha falta e eu a deles”, frisou. Tanto é que ele está quase decidido a recusar ir para o Japão filmar o terceiro filme falando sobre o Parque. As duas primeiras películas japonesas falavam sobre a interação, a amizade homem/ave e este terceiro será sobre a vida dele, sobre o primeiro ovo de falcão que recebeu aos sete anos de idade, quando nasceu Tito (apesar do nome, é uma fêmea), que agora está com 30 anos. “Mas eu não quero ir não! Bom é a casa da gente!”.

Esse homem simples e muito carismático já foi espalhar conhecimento em vários lugares, inclusive na Ilha de Galápagos, no Equador. Foi manchete de vários jornais e revistas nacionais, incluindo também a internacional e respeitada National Geographic. Consequentemente, levou e elevou o nome de Sergipe em várias instâncias e isso de forma despretensiosa e sem cobrar nada a ninguém. Reconhecimento da importância do Parque dos Falcões para o estado por parte de governos atuais e passados tem pra dar e vender, mas ajuda para manter o local, que é bom, nada!

Gosta de ecoturismo e aventura? Então veja aqui todas as cachoeiras de Sergipe!


“Promessas eu já tive, e muitas, mas, como quem vive de promessa é santo, eu vivo e faço o parque ser o que é através do meu esforço, não espero por ninguém, por político nenhum. Já ouvi promessas de apoio e ajuda de João Alves quando era governador; do falecido governador Marcelo Déda, mas nada foi concretizado. O único que nos ajudou de fato foi um homem bom chamado Marcelo Medina, quando presidente da Energisa. Mandou construir nosso auditório equipado com tudo do que precisamos, fez o pórtico e a bilheteria. A ele eu sou muito grato e oro pra que Deus o abençoe sempre!”, desejou.

A mais nova promessa recebida aconteceu justamente no dia da inauguração da reforma feita pela Energisa, em dezembro do ano passado, e desta vez partiu do prefeito de Itabaiana, Valmir de Francisquinho. Ele disse que iria providenciar o calçamento do acesso ao Parque, por sinal, a entrada do Povoado Gandu está em petição de miséria. A promessa já caminha para o terceiro mês. Se Percílio dependesse de ajuda governamental pra tocar o centro de conservação, e não tivesse paixão por morar em Sergipe, já teria levado embora daqui o Parque dos Falcões, afinal de contas, propostas não faltaram para que o instalasse em outros estados, a exemplo do Acre e da Bahia, neste último caso, mais especificamente, na Praia do Forte. Ou poderia ir para bem mais longe, para a Tunísia, país da África do Norte, de onde também recebeu convite.

Por muito tempo o Parque dos Falcões foi sustentado pela mãe do fundador, e a autonomia chegou por meio do turismo, portas que foram abertas pela jornalista Silvinha de Oliveira, falecida em 8 de junho de 2012. Agora, em períodos de alta temporada, a reserva recebe cerca de 700 pessoas por semana, número que não cai muito, mesmo nos períodos de baixa temporada.

Conheça o turismo de pesca em Sergipe!


Ganhando o mundo
Não só Percílio é convidado a dar palestras e treinamentos. Muitas das aves que ele cria vão com ele nessas empreitadas. Diversas já participaram de filmes brasileiros e norte-americanos. O trabalho mais recente foi a filmagem do material publicitário e do DVD da Paixão de Cristo de Nova Jerusalém, em Pernambuco, onde irão atuar durante as encenações da Paixão 2014. Percílio será o braço direito do imperador, o encarregado de receber as mensagens levadas pelos falcões e repassá-las para o chefe. Uma das cenas é o Fórum de Pilatos, quando haverá sobrevoo da ave. “Elas se comportaram tão bem, fizeram tudo direitinho, desde o voo ao piado, e não se intimidaram com o cavalo que está em cena, mesmo sendo um animal estranho a elas, já que aqui não entra cavalos”, disse todo orgulhoso.

A reserva conta atualmente com centenas de aves, tanto as encaminhadas pelos Ibamas de todo o Brasil quanto os filhotes que nasceram lá. Mas, nenhuma delas sai de lá em troca de dinheiro, só em troca de amor. Percílio é radicalmente contra o comércio dos animais, tanto que só deixam o parque ou para serem reintroduzidos à natureza para repovoamento, ou doados a criadores autorizados pelo órgão federal de proteção ao meio ambiente. Ele não faz esse tipo de troca nem mesmo para garantir o sustento do Parque dos Falcões, que gasta, apenas com comida para as aves, cerca de R$ 5 mil/mês. Por semana ele tem que comprar cerca de 300 codornas, 150 pintos e 50 quilos de carne, além de ração. “Isso tudo é bancado pelo ecoturismo e pelos trabalhos que fazemos pelo mundo”, reforçou.

Procurando hotéis em Aracaju? Veja aqui os nosso indicados


Curiosidades

- O falcão peregrino atinge a velocidade de 420 km/h.

- A harpia, maior ave de rapina da América Latina e animal ameaçado de extinção, consegue exercer, com as patas, uma pressão de aproximadamente 800 kg, sendo capaz, inclusive, de matar um ser humano. A existente no Parque dos Falcões é uma fêmea oriunda da Amazônia e está à espera do macho, que deve ser levado em pouco tempo para a reserva. Pesa entre nove e 10 quilos e mede, de uma ponta a outra da asa, 2,15 metros.

Serviço
O quê? – Parque dos Falcões
Onde? – Povoado Gandu, no município de Itabaiana, distante cerca de 50 km de Aracaju, acesso pela BR-235
Quanto? – R$ 20 adultos; R$ 10 (meia-entrada) crianças com idade entre sete e 11 anos, e idosos

Horário de visitação? – Das 8h às 11h e das 13h às 16h. São geralmente duas horas de visita monitorada, onde a pessoa vê um filme sobre o Parque, como as aves chegam, conhece as espécies lá protegidas, as que estão ameaçadas de extinção e depois segue para a visitação delas. Há ainda exibição de aves adestradas e o contato com elas. Caminhada até a cachoeira e banho em lagoa natural são também outras opções do passeio.

Agendamento das visitas – Através dos telefones (79) 9962 5457 // 9131 8496 // 9945 9020

Para mais infomações acesse: http://www.parquedosfalcoes.com.br/

#Natureza #Sergipe #Itabaiana #O que fazer em Sergipe


Deixe um comentário