por Europa

Onde comer em Paris? Roteiro de gastronomia

(Parte 2)

Semana passada publicamos a primeira parte do nosso petit roteiro gastronômico de Paris. A ideia é sugerir lugares que estejam fora do tradicional roteiro dos turistas, para que você possa sentir-se um pouco parisiense, provando a refinada comida que eles gostam e visitando locais sem a agitação dos visitantes de fora do país. Todas as nossas sugestões ficam próximos aos grandes pontos turísticos, sendo também de fácil acesso – mas com um ar um pouco diferente. Sigamos com nossas dicas.

Confira aqui a primeira parte de nosso roteiro gastronômico por Paris

L’arc Café (Avenue Carnot, 27)
Ainda nas imediações da Champs-Élysées, perto do Arco do Triunfo. Fica numa região próxima dali e um pouco escondida – e por isso mesmo muito agradável. É cheia de cafés, bistrôs e hotéis mais simples, sendo um endereço tranquilo. O trecho é de comércio local, sem as grandes lojas e luzes, mas dá para andar tranquilo durante a noite. Entre as várias opções das redondezas está mais um bistrô parisiense, onde além da comida francesa, é possível encontrar pratos italianos, como lasanha e excelentes pastas.

Sem muito luxo, mas a comida é de primeira e os garçons muito simpáticos – a explicação talvez seja que muitos deles não são franceses. Pelo vitral que envolve o restaurante dá pra ver o movimento da rua ao redor. À noite, vale a pena escolher uma entre as várias opções dos tradicionais cognacs, que encerram bem a refeição e ajudam a diminuir o frio.

Jardin desTuileries (Rue de Rivoli, 113)
O Parque que dá acesso ao Museu do Louvre abriga também o museu onde estão exibidas as famosas “Les nymphéas”, do pintor Monet. O lugar é agradável e se o tempo abrir os franceses correm para a beira da fonte, para curtir o sol. Saindo ou chegando do Louvre ou do museu de Monet, vale uma parada para aproveitar o parque. Dê uma de francês, na entrada (vindo da Place La Concorde), há um trailer onde é possível tomar um cappuccino saborosíssimo e provar o tradicional crepe francês. Sente embaixo de uma árvore, ou nos jardins do museu de Orangerie, ao lado das estátuas do mestre Rodin, e desenfastie da alta gastronomia.

Museu D’Orsay
Criado para abrigar a maior coleção de pintores impressionistas, com os grandes nomes que eternizaram a pintura. Imperdível. Está por lá e deu fome? Mais uma oportunidade para comer um crepe na lanchonete em frente ao museu. Simples e básica, cheia de turistas, mas ao menos não é fast food - e o crepe de Nutella é maravilhoso. Sente na escadaria, onde muita gente lancha e descansa observando os artistas de rua tocando, cantando, pintando.

Um dia entre a Torre Eiffel e o Museu D'Orsay, finalizando com uma vista estonteante de país na Sacre Couer. Veja aqui todos os detalhes deste passeio.

Cabarés
Você não vai sair de Paris sem ir a um cabaré, para ver as graciosas bailarinas com pouca roupa. Nos mais tradicionais, a comida é boa, só que muito mais cara que em um restaurante do mesmo nível. No Lido (funciona desde 1946, na Champs-Élysées) a entrada para o show mais o jantar varia de 160 a 300 euros (depende da posição). Sem o jantar o show fica por 65 euros. Se não quiser comer por lá, peça um bom vinho, ou champanhe, acompanhado por uma tábua de deliciosos queijos tradicionais da França – acompanha pão e manteiga, como tudo por lá. Outro Cabaré famoso é o Moulin Rouge, que fica ano bairro boêmio de Montmartre. Show e jantar saem por 190 a 235 euros - e só o show, por 95 euros. A comida do Lido é mais elogiada.

Onde comer em Paris? Roteiro de gastronomiaLe Crab Marteau (Rue des Acacias, 16)
E para o sergipano que vai a Paris, que tal comer o caranguejo de lá? Esse definitivamente não é lugar para turista. Apesar de também estar a algumas quadras do Arco do Triunfo, os garçons são franceses, não têm muita frescura e não falam quase nada de inglês. Mas dá pra se virar.

O decoração é legal, lembra um navio. E não espere nada parecido com nosso crustáceo de mangue. O caranguejo de lá é de alto mar, daqueles gigantes, e é servido gelado – acompanhado com pequenas batatas cozidas, pães e molhos (pesto, gorgonzola e outros à base de maionese). Para acompanhar, vinho branco é quase obrigatório. Vão estranhar um pouco se você pedir uma cerveja, mas a iguaria vai bem com uma boa cerveja europeia. Quando ver o caranguejo, não se aperreie. O garçom, hábil com a tesoura, irá cortá-lo e entregá-lo quase em sua boca.




Onde comer em Paris? Roteiro de gastronomia
Georges
(6º andar do centro George Pompidou, Região do Marais)
Mesmo que você não seja fã de artes, vale a pena dar um pulinho no centro George Pompidou, um prédio modernoso que abriga muita arte moderna. Depois de conferir as cores dos trabalhos de Andy Wharol, faça uma pausa para o almoço, subindo ao sexto andar, onde está o também moderno (e luxuoso) Georges.

A vista é privilegiada. As paredes são de vidro e dá para apreciar os românticos telhados parisienses, além dos monumentos e igrejas. Dentro, a decoração é futurista, móveis simétricos contrastando com a arquitetura assimétrica - e a comida segue o padrão: gastronomia moderna e de primeira. O atendimento é frio, mas eficiente. O destaque é o tradicional fois grais – o patê de fígado de ganso, uma das iguarias mais tradicionais de Paris. O do George’s é um dos melhores da cidade. As carnes de boi também são suculentas e muito pedidas. O preço dos pratos individuais varia de 50 a 70 euros. Uma refeição completa, para dois, com um bom vinho, sairá por cerca de 300 euros.

Se colocarem você numa mesa bem localizada e com boa vista, pode comemorar. Ano passado uma ex-funcionária denunciou que os donos orientavam garçons a colocarem pessoas mais feias nas mesas escondidas.

Onde comer em Paris? Roteiro de gastronomiaBateaux Mouches (Embarque na Pont de L’Alma)
Outro passeio imperdível em Paris é navegar pelo rio Sena, conferindo às suas margens alguns dos mais importantes prédios e monumentos da cidade. O passeio também pode ser feito em grande estilo, com direito a jantar ou almoço, regado a um bom vinho, em barcos com boa acomodação. Várias empresas oferecem o serviço. Uma das mais recomendadas é a Bateaux Mouches – dá pra fazer a reserva pela internet, gastando de 100 a 140 euros por pessoa. O valor inclui entrada, prato principal, sobremesa, vinho, champanhe, água, refrigerante.

Veja aqui os principais pontos turísticos percorridos no cruzeiro jantar pelo Rio Sena

A comida é boa, mas o cardápio é bem francês: dá pra escolher entre um carpaccio de veado, um pé de vaca ou um salmão defumado e cru, em lâminas finas – parece um carpaccio de salmão, mas não é. Sempre oferecem alguma pasta (não é a especialidade deles), um peixe ou carne de boi.

Onde comer em Paris? Roteiro de gastronomiaCroq’etoile (Rue des Acacias, 3)
Direto de Casablana pra Paris. A capital francesa é cosmopolita, é fácil encontrar comida do mundo inteiro. Para quem gosta de arriscar e conhecer sabores diferentes, abrindo mão do luxo e glamour, vai uma sugestão que você não deve encontrar em blogs e roteiros tradicionais: O Croq’etoile, um restaurante marroquino – onde a grande pedida, é claro, é o couscous marroquino. O prato serve duas pessoas e vem em panela de barro. O proprietário é um marroquino divertido, com cara de louco, e fica no balcão – onde até arrisca um pouco de português.

Se você já comeu um no Brasil, esqueça. O legítimo é feito com diversos cereais , muito grão de bico, e fica exposto em bandejas. Vai junto uma carne cozida (aquela que aqui chamamos de carne frita) com batatas e cenoura – lembra bastante um cozido brasileiro, o gosto parece o de um pirão. Para beber, só desta vez, esqueça o vinho: peça um suco natural de frutas francesas - laranja ou morango são excelentes e muito diferentes dos sabores das mesmas frutas por aqui.

Pizzas em Paris
Ir à Paris para comer pizza ou um hambúrguer, é quase um pecado. Mas muita gente come uma pizza para variar um pouco. As mais populares estão na Champs-Élysées, onde existem várias no estilo mais fast-food, gigantes, e algumas no estilo mais italiano.

Se for visitar o Palácio de Versailles, a dica é a pequena lanchonete, em meio aos jardins, que esconde uma pizza saborosa. Entre as opções, várias com ingredientes franceses. Presunto e champignon é uma das mais pedidas. Só não esqueça de solicitar a sua “sans oeuf” – sem ovo. Em lugares mais afrancesados eles costumam quebrar um ovo cru no meio da pizza, colocando rapidamente no forno, só para dar uma esquentadinha. Se quiser provar, fique à vontade.

Tire um dia em Paris para percorrer desde o Arco do Triunfo até a Opera Garnier, veja o roteiro completo deste dia aqui

Padarias
Acredite, para conhecer a cidade você precisa comer em uma padaria. Não vamos recomendar uma específica. Deu fome, está passando por perto de alguma, entre. Além de opção para economizar, é possível comer e ver um pouco o dia-a-dia de Paris.

Muitas servem almoço, e no jantar, sopas deliciosas (e baratas), cheias de queijos e champignons, sendo uma excelente pedida para o clima frio. Mas o melhor mesmo são os sanduíches, com frios e pães franceses. Dá para fazer uma refeição light, com pães integrais deliciosos e saladas no sanduíche. Os franceses gostam muito. Os doces, para sobremesa, também são muito bons. Difícil entrar em uma padaria francesa e não provar um.
#Restaurantes #Gastronomia #onde comer #Paris


Deixe um comentário