por Américas

Roteiro Bariloche (Parte 2)

Confira a segunda parte de nosso roteiro em Bariloche: Paisagens, neve e os "cerros"

Roteiro Bariloche (Parte 2)Continuando nosso roteiro por Bariloche, iniciado semana passada, vamos falar sobre o Cerro Otto. Com seu topo localizado a 1.405 metros de altura, e batizado com o nome do seu fundador, o alemão Otto Meiling, o lugar foi a primeira estação de esqui da América do Sul, inaugurada na década de 30. Administrado por uma fundação filantrópica, Sara Furman, toda o lucro obtido é revertido para dois hospitais da cidade..

O mais charmoso dos cerros de Bariloche é também o mais organizado, tendo diversos tipos de atrações ao longo do ano. A subida pelo pequeno teleférico garante mais uma vista ‘sem comentários’, além de uma emoção moderada. É possível circular o topo, que possui excelentes mirantes, onde de diferentes pontos é possível observar a grandeza do lago Nahuel Huape, a cidade de Bariloche, as montanhas e bosques. Um fotógrafo profissional conduz um belo cachorro da raça São Bernardo, batizado de Nehuen. As fotos são imprescindíveis ao seu álbum de inverno. Para conferir a primeira parte desse roteiro clique aqui!

Roteiro Bariloche (Parte 2)A primeira dica é alugar roupas e botas para neve. Procure referências de boas lojas na internet, no seu hotel ou agências de turismo. Muita gente esquece, mas a roupa comum, em contato com a neve, fica molhada. Além disso, elas vão deixa-lo bem aquecido.

No verão, sem neve, a atração é o ‘Otto Kart’, onde se desce a montanha em uma boia. Mas na neve a pista de ‘esqui-bunda’, com um quilômetro de comprimento, é a atração preferida de crianças e adultos. A descida, apesar das curvas, é tranquila - o trenó de plástico é fácil de controlar. Existe outra pista menor, para crianças de quatro a cinco anos. Após a descida, tem um funiculá para subir de volta à cabeceira da pista. Além disso, são oferecidas trilhas de subida ao cerro pelo bosque, e outras pela neve, utilizando aquelas raquetes nos pés.

Roteiro Bariloche (Parte 2)A parte interna do cerro possui lojinhas com souvenirs. A surpresa fica por conta de uma inusitada galeria de arte, dedicada ao artista renascentista Michelangelo Buonaroti. O lugar possui reproduções em tamanho original de suas principais obras, além de fotografias e um pouco da história do artista. Destaque para as estátuas Davi, Moisés e La Piedad.

Confeitaria Giratória
Ao final do passeio, não deixe de visitar a confeitaria giratória. Além do lanche ou almoço, a atração é a própria confeitaria, que vai girando em velocidade lenta, proporcionando uma vista de todos os lados. A cada 20 minutos as mesas completam um giro de 360º. É muito parecido com um restaurante semelhante que existe no centro de Santiago, no Chile.

Para o lanche, diversas opções de tortas, strudel (uma torta alemã), além de um bom café e os tradicionais ‘cubanitos’ – uns canudinhos com gosto de cavaco-chinês, recheados com o inconfundível doce de leite argentino e banhado a chocolate. Também há almoço, e a comida é boa. Aposte, é claro, nos cortes argentinos. O ‘lomito com pimenta negras’ e ótimo. E o ‘cervo a caçador’, temperado com muitas folhas de louro, é macio e muito gostoso. Quem não esta acostumado com carnes de caça, não ai estranhar.

Dá para tomar um vinho também. Só não exagere, porque de qualquer forma, você já estará vendo tudo rodando - e pela primeira vez, estará certo.

Circuito Chico e Cerro Catedral

Roteiro Bariloche (Parte 2)‘Circuito Chico’ é um rápido passeio pelos arredores da cidade. A primeira parada é na capela ‘San Eduardo’, onde se tem uma vista emblemático Hotel Llao Llao. Um pouco afastado do centro urbano, construído aos pés de um cerro, o hotel é luxuoso, sem perder o charme montanhês. Já sediou diversos eventos internacionais. O roteiro inclui uma rápida passagem pelo hotel.

Segue uma parada na fábrica da Rosa Mosqueta – marca muito conhecida em toda Argentina. A Rosa Mosqueta é um pequeno fruto, rosado e cheiroso, muito usado em um chá riquíssimo em vitamina C, e que segundo os costumes populares, possui propriedades regenerativas para a pele – além de ser afrodisíaco, segundo o pessoal da região. As mulheres fazem a festa com cremes para a pele e outros cosméticos.

Roteiro Bariloche (Parte 2)Próxima parada, ‘Arroyo Lopes’, uma pequena e bela fonte, à beira da estrada. Dizem que quem bebe a água uma vez, volta a Bariloche. Quem bebe duas, volta com estado civil trocado. E quem bebe três, volta com sexo trocado. Brincadeiras a parte, é a entrada de um pequeno bosque, com pedras que adornam o riacho.



De lá seguimos para o mirante conhecido como Postal do fim do mundo – que ficou conhecido assim depois que alguém ganhou um concurso internacional de fotografia, com a imagem daquela paisagem. É realmente de tirar o fôlego. A confluência das montanhas geladas e lagos calmos, que refletem o céu em seus espelhos d’água, vale uma contemplação lenta – e infinitas fotos.

Em Buenos Aires, não deixe de visitar o Museu dos Beatles. Clique aqui para mais informações




Cerro Catedral
É o maior, mais moderno e bem estruturado centro de esportes de neve na Argentina. São várias pistas de esqui, com algumas exclusivas para os principiantes. A neve é garantida o ano inteiro: caso não cai do céu, canhões garantem a diversão dos turistas e esquiadores. Existem várias subidas. A mais badalada é o acesso principal, que pode ser visto logo quando você chega. Roupa e botas para neve são fundamentais.

Vários locais são dedicados a quem vai praticar o esqui ou o snowboard, e a subida ao topo é exclusiva para os esportistas. Mas você pode pegar o teleférico e subir até a penúltima parada, onde é possível brincar na neve e mais uma vez, observar outra indescritível paisagem, que não caberá na sua foto – e observar os praticantes de esportes de neve.

Roteiro Bariloche (Parte 2)Se você pretende esquiar, procure referências de boas lojas. Na vila comercial ao pé da montanha, várias alugam roupas e equipamentos. Também existem instrutores disponíveis. Se é iniciante, vá com calma: é comum ver gente que passou por pequenos incidentes – nada grave. Lá também pode-se praticar o esqui nórdico, aquele esqui onde ao invés de deslizar em rampas, caminha-se pela neve.

A vila possui ainda vários lugares para lanchar, almoçar, ou tomar um café ou chocolate quente. Pegando o teleférico existe um restaurante legal, perto do topo: ‘La Roca’. A comida é simples, mas boa. São poucas as opções, mas o preço é justo - e mais uma vez é possível desfrutar de uma bela visão, pois as paredes são de vidro e é possível apreciar as montanhas e o lago. Dica para comer: truta com manteiga negra.

Para mais informações, acesse: http://www.catedralaltapatagonia.com/cerro_magico/

Em Bariloche, utilizamos o serviço de receptivo da Tronador Turismo, staff super atencioso, pontual, com guias profissionais, sempre bem humorados e com informações relevantes sobre os locais visitados.



TRONADOR TURISMO
Rua Quaglia 283
Tel: +54 (294) 442-5644 / 4421104 / 442 -7441
www.tronadorturismo.com.ar
consultas@tronadorturismo.com.ar

Cerro Otto
www.telefericobariloche.com.ar
info@telefericobariloche.com.ar
Av. Pioneros, km 5.000

#Bariloche #Gastronomia #Onde comer #Restaurantes


Deixe um comentário